Postagens populares

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Chico, compromisso com a generosidade!

Chico Buarque e Mart'nalia - "Sem Compromisso" ( Geraldo Pereira / Nelson Trigueiro) e "Deixe a menina" (Chico Buarque)

O Xequerê - Instrumento de percussão

Xequerê em português, Shekere em inglês e Sekere na ortografia Yoruba, é um instrumento musical de percussão da África, consiste de uma cabaça seca cortada em uma das extremidades e envolta por uma rede de contas. Ao longo de todo o continente africano é chamado de diferentes nomes, como o lilolo, axatse (Gana), e chequere. É predominantemente chamado shekere na Nigéria.

O Xequerê é feito de pequenas cabaças que crescem no campo. A forma da cabaça determina o som do instrumento. Um Xequerê é feito por secagem da cabaça, por vários meses, em seguida, a remoção da polpa e sementes. O Xequerê é agitado quando é tocado.

(Fonte: Wikipédia)

67 anos de Neil Young! 12/11


segunda-feira, 12 de novembro de 2012

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Ney Matogrosso: 40 anos de carreira!


40 anos de carreira reunidos em uma exposição!

As letras, as canções, os acessórios, os figurinos e a maquiagem de todas fases de Ney Matogrosso estão expostas na mostra "Cápsula do tempo: identidade e ruptura no vestir de Ney Matogrosso".

Com curadoria do carnavalesco Milton Cunha, a exposição é gratuita e tem 220 peças expostas no no Senac Santo Amaro.

Imperdível!
(Fonte: Natura Musical)

terça-feira, 9 de outubro de 2012

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Sacada da Música e Papos Afins: Sacada no Facebook

Sacada da Música e Papos Afins: Sacada no Facebook:   Quem quiser dar um "CURTIR" na nossa recém-criada Página no Facebook, e especialmente visitar nosso também recém-criado blog, deixando com...

Música nas alturas!

Chova ou faça sol, no verão ou no inverno... música sempre!

Ontem foi o Dia Internacional da Música!

1º de Outubro... e todos os dias!!!

Aconchego musical...

A música acalenta, embala sonhos, acolhe grandes e pequenos...

Desgasto mais rápido que as coisas porque não sou coisa...

Rotinas - Miriam Mauro/Lila Affonso

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Não dá!

Eu sei o que você quer,
Mas o que você quer eu não vou te dar.
Você quer o fácil, você quer o oco,
Eu quero trabalho, e não quero pouco.
Você não diz nada
E nem quer ouvir
Mas o que está aqui dentro
Precisa sair
Sem "tatibitati", sem refrão "tchu tchu".
Não faço seu jogo, não aposto em lucros

De castelos de areia que se acabam no mar.
Quero Construção, Casa no Campo,
Nas Águas de Março quero ver Beatriz.
Cantar Pros Filhos do Zé em Lumiar,
Escutando Milton, degustando Elis
Ouvindo Vininha, o Poeta Aprendiz!
Não! Sei bem o que você quer,
Mas isso não posso e nem quero te dar.

Miriam Almeida- 06/09/12

E quem disse que sambista é alienado?

João Máximo, autor das biografias de Noel Rosa e de Paulinho da Viola, explica que a história do Rio de Janeiro como cenário e personagem das canções vem desde o século 19. A diferença é que, naquela época, a música popular tratava dos morros e dos subúrbios em visões idealizadas, feitas a distância...

Imagem: Os veteranos da velha guarda do samba João da Bahiana, Clementina de Jesus, Pixinguinha e Donga no Rio de Janeiro, em 26 de junho de 1968, na Passeata dos Cem Mil contra a censura e contra a ditadura militar.

disponível em:
http://semioticas1.blogspot.com.br/2012/04/certas-cancoes.html

Sem energia, sem fantasia...

A energia que me movia não me via
Nem me ouvia
Não me servia...
Mas me movia, e me impedia a inércia
Assim imaginava eu.
Mais inerte do que nunca estive
Durante todo o tempo
Em que me movi para outro,
Por outro,
Por alguém que nunca era eu.
A energia que me consumiu
Deveria ter sido por mim consumida
Para a vida, para a minha vida.
Esta que não se aluga, não se empresta,
Não se troca, apenas se vive...
Ou não.
                                        Miriam - 04/09/12

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O afoxé

O afoxé é um instrumento musical composto de uma cabaça pequena redonda, recoberta com uma rede de bolinhas de plástico parecido com o Xequerê sendo que o afoxé é menor.

O afoxé pode ser de madeira e/ou plástico com missangas ou contas ao redor de seu corpo. O som é produzido quando se giram as missangas em um sentido, e a extremidade do instrumento (o cabo) no sentido oposto. Antigamente era tocado apenas em Centros de umbanda e no samba. Atualmente, o afoxé ganhou espaço no Reggae e música Pop.
(Fonte: Wikipédia)

terça-feira, 17 de julho de 2012

Amor e Medo, Medo do Amor... Lindeza de música!

Alceu Valença e Zizi Possi - "Tesoura do Desejo" (Alceu Valença)

Mestre do cavaquinho: Waldir Azevedo!

Waldir Azevedo: "Pedacinhos do Céu" (Waldir Azevedo/Miguel Lima)

O cavaquinho

O cavaquinho é um instrumento da família dos cordofones originário do Minho, norte de Portugal, que mais tarde foi amplamente introduzido na cultura popular de Braga pelos nobres Biscainhos e de onde foi depois levado para outras paragens como Cabo Verde, Moçambique, Brasil, Hawaii e Madeira.
No Brasil este instrumento é usado nas congadas paulistas e forma historicamente o conjunto básico, junto com o bandolim, a flauta e o violão, para execução de choros. Waldir Azevedo é o mais conhecido músico de choro que tocava esse instrumento. Considerado, ainda em vida deste, como seu sucessor, o músico paulista Roberto Barbosa, mais conhecido por Canhotinho, é hoje considerado uma das principais referências no instrumento, por ter aprimorado a técnica deixada por Waldir Azevedo. Canhotinho é há cerca de 40 anos o arranjador do renomado conjunto de samba Demônios da Garoa.
(Fonte: Wikipédia)

RIP Jon Lord ( 1941-2012)

Tributo a Jon Lord, um dos fundadores do Depp Purple

BELEZA

BELEZA (Miriam Mauro/Lila Affonso)

segunda-feira, 9 de julho de 2012

A vida não gosta de esperar... Vininha velho, saravá!

Chico Buarque e Toquinho - "Samba pra Vinícius" (ChicoBuarque/Toquinho)

A benção, Vinícius!

Vinícius de Moraes- "Samba da Bênção" (Vinícius de Moraes/Baden Powell)

09 de Julho de 2012: 32 anos de saudades de Vinícius!



Há 32 anos, num dia de muita tristeza para a música brasileira, nos deixava o carioca Marcus Vinícius da Cruz e Mello Moraes, ou Vinícius de Moraes, ou ainda , o "Poetinha", como o chamou carinhosamente o  amigo e um de seus inúmeros parceiros musicais Tom Jobim. Vinícius foi, nas palavras de Carlos Drummond de Andrade, "o único poeta brasileiro que ousou viver sob o signo da paixão. Quer dizer, da poesia em estado natural".
 Poeta e diplomata, o "branco mais preto do Brasil", como ele próprio se definia, enveredou pelo caminho da música, e compôs diversos clássicos da MPB.
Boêmio, eterno apaixonado, Vinícius casou-se 9 vezes, e foi intensamente apaixonado por todas as mulheres com quem viveu. 
Dentre suas parcerias mais constantes, estão nomes como o já citado Tom Jobim, Baden Powell, Carlos Lyra e Toquinho.
Difícil escolher uma música para lembrar Vinícius, mas vai aqui uma unanimidade, que reúne a voz de uma de suas intérpretes mais conhecidas, Maria Creuza, e a  declamação do poema "Soneto de Fidelidade", um dos mais populares, na voz do autor.

 Maria  Creuza e Vinícius de Moraes - "Eu sei que vou te amar" (Vinícius de Moraes/Tom Jobim)



terça-feira, 3 de julho de 2012

Sacada da Música e Papos Afins: ALUCINA

Sacada da Música e Papos Afins: ALUCINA: ALUCINA (Miriam Mauro/Lila Affonso)

Mestre do piano: Nelson Freire!

Nelson Freire - "Bachianas Brasileiras nº 4 - Prelúdio" (Villa Lobos)

O piano

O piano é um instrumento musical de cordas, pelo sistema de classificação de Hornbostel-Sachs.

O som é produzido por peças feitas em madeira e cobertas por um material (geralmente feltro) macio e designados martelos, e sendo ativados através de um teclado, tocam nas cordas esticadas e presas numa estrutura rígida de madeira ou metal. As cordas vibram e produzem o som. Como instrumento de cordas percutidas por mecanismo ativado por um teclado, o piano é semelhante ao clavicórdio e ao cravo. Os três instrumentos diferem no entanto no mecanismo de produção de som. Num cravo as cordas são beliscadas. Num clavicórdio as cordas são batidas por martelos que permanecem em contacto com a corda. No piano o martelo afasta-se da corda imediatamente após tocá-la deixando-a vibrar livremente.

Teve a sua primeira referência publicada em 1711, no "Giornale dei Litterati d'Italia" por motivo da sua apresentação em Florença pelo seu inventor Bartolomeo Cristofori. A partir desse momento sucede-se uma série de aperfeiçoamentos até chegar ao piano atual. A essência da nova invenção, residia na possibilidade de dar diferentes intensidade aos sons e por isso recebeu o nome de "piano-forte" (que vai do pianíssimo ao fortíssimo) e mais tarde, reduzido apenas para piano. Tais possibilidades de matrizes sonoras acabaram por orientar a preferência dos compositores face ao clavicêmbalo.

Os pianos modernos, embora não se diferenciem dos mais antigos no que se refere aos tons, trazem novos formatos estéticos e de materiais que compõem o instrumento. Um piano comum tem, geralmente, oito lás, oito sis bemóis, oito sis, oito dós, sete dós sustenidos, sete rés, sete mis bemóis, sete mis, sete fás, sete fás sustenidos, sete sóis e sete sóis sustenidos, formando um total de 88 notas musicais. Se for um de 90 notas musicais, ele terá oito lás, oito sis bemóis, oito sis, oito dós, oito dós sustenidos (Dó Sustenido Oito, 4.434 Hz), oito rés (Ré Oito, 4.698 Hz), sete mis bemóis, sete mis, sete fás, sete fás sustenidos, sete sóis e sete sóis sustenidos.

O piano é amplamente utilizado na música ocidental, no jazz, para a performance solo e para acompanhamento. É também muito popular como um auxílio para compor. Embora não seja portátil e tenha um alto preço, o piano é um instrumento versátil, uma das características que o tornou um dos instrumentos musicais mais conhecidos pelo mundo.

O piano de cauda tem a armação e as cordas colocadas horizontalmente. Necessita por isso de um grande espaço pois é bastante volumoso. É adequado para salas de concerto com tetos altos e boa acústica. Existem diversos modelos e tamanhos, entre 1,8 e 3 m de comprimento e 620 kg. Pianos excecionais : todos os fabricantes fazem piano pianos excecionais (artcase), alguns são apenas decorações ou mudanças dramáticas nos atuais (pés trabalhados, pintura, capa) são outras alterações radicais como o Pegasus] por Schimmel ou o M. Liminal projetado por NYT Line e composto por Fazioli.
(Fonte: Wikipédia)
 

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Clareana

Joyce - "Clareana" (Joyce)

A Barca do Sol!

A Barca do Sol - "A Barca do Sol" (Nando Carneiro, Maurício Costa e João Carlos Pádua)

O mestre do cello- Jaques Morelenbaum!

Jaques Morelenbaum Cello Samba Trio - "Coração Vagabundo" (Caetano Veloso)

Arranco de Varsóvia canta Pixinguinha!

Arranco de Varsóvia - "Um a zero" (Pixinguinha)

Que dupla, hein?!

João Donato e Joyce Moreno - "Emoriô" (João Donato/Gilberto Gil)

domingo, 1 de julho de 2012

Boca Livre!

Boca Livre - "Quem tem a Viola" (Xico Chaves , Cláudio Nucci , Zé Renato , Juca Filho)

Sapato Velho!

Quarteto em Cy - "Sapato Velho" (Paulinho Tapajós/Mu Carvalho/Claudio Nucci)

Razão, razão, emoção...

Sou irracional, às vezes. Aliás, queria eliminar a Razão, essa com R maiúsculo, kantiana, do meu universo.
Por muito tempo busquei racionalizar o que sentia, o que é uma contradição em si: Sinto primeiro, penso depois. Para pensar no que senti, buscar um entendimento, é preciso que haja o que ser "explicado": o sentir!
E tudo o que eu possa dizer sobre ele o desqualifica, o empobrece.
Bom ou mau, faça doer ou dê prazer, o sentimento é de outra ordem, que não a da razão.
Sei o quanto há de impossível nessa "missão". O mundo nos cobra explicações ("científicas", de preferência), e nós obedecemos.
Não falo em suprimir a inteligência, minha possível idiotice não vai a tal ponto, mas a supervalorização do "cientificamente provado" que impera há tanto tempo neste nosso mundo, muitas vezes me cansa.
Gosto, na verdade, de me saber capaz de reagir, ainda que perca com isso a razão (com r minúsculo), e gosto muito também de me fazer perdoar sem precisar explicar matematicamente o que me fez agir de tal ou qual modo.
Opto pelo caminho da emoção, mesmo que uma "força maior" me faça, por exemplo, estar aqui escrevendo isso. Porque não dá pra ser, no mundo, apenas o que a gente quer ser. Sei que não dá.
Mas uma coisa: só me magoa quem me importa. Só peço desculpas e desculpo quem me importa.
E "me importar" tem muito mais a ver com coração do que com razão...
Não quero ser cerebral, a não ser para aprender e explicar coisas. Sentimentos não.
O sentido das coisas não está nas coisas, isso é fato. Por isso, é tão difícil a comunicação e a compreensão dos sentidos/sentimentos pelas palavras.
As palavras traem. Os sentimentos não.
Ao contrário de Bandeira, eu diria que as almas é que se entendem. Os corpos, por vezes, também. E é a verdadeira maravilha quando isso acontece, dos dois se entenderem! Melhor: sem necessidade de explicações!
As almas podem até chegar ao entendimento pela via do corpo, mas é preciso a alma para sentir o prazer que resulta disso.


                                                                         Miriam Almeida

Grande MPB-4

MPB-4 - "Por Quien Merece Amor" ( Sílvio Rodrigues - versão: Miltinho)

Garganta Profunda

Garganta Profunda - "Mulata Assanhada" (Ataulfo Alves) / "Chiclete com Banana" (Gordurinha e Almira Castilho)

O violoncelo

O violoncelo é um instrumento da família dos instrumentos de corda. Tocado geralmente com arco, possui quatro cordas afinadas em quintas.
O instrumento pertence à sub-família dos violinos, que engloba os instrumentos orquestrais de quatro cordas afinadas em quintas. Essa família se diferencia da familia do violão (da qual faz parte o contrabaixo) tanto pela afinação, que ali se dá em quartas em vez de quintas, tanto pela forma diferenciada do instrumento.
A característica padrão do violoncelo foi estabelecida por Stradivarius, em 1680. A partir dos Concertos Espirituais de Boccherini, o violoncelo passou a ser tratado como solista, e não somente como um instrumento para compor o naipe de cordas.
Uma das primeiras citações sobre o violoncelo foi numa coleção de sonatas italianas anônimas, datada de 1665. Tornou-se popular como instrumento solista nos séculos XVII e XVIII.
(Fonte: Wikipédia)

Céu da Boca

Céu da Boca - "Clarissa" (Paulinho Malaguti)

Mas que nada!

Tamba Trio - "Mas que Nada" (Jorge BenJor)

Os Cariocas

Os Cariocas - "Ela é Carioca" (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)

quinta-feira, 28 de junho de 2012

O reco-reco

Reco-reco (também raspador, caracaxá ou querequexé) é um termo genérico que indica os idiofones cujo som é produzido por raspagem. Há dois tipos básicos de reco-reco. O brasileiro, que é feito de aço, e o de madeira, muito comum em estilos de música latino-americanos como a cumbia e a salsa. Este último é constituído de um gomo de bambu ou uma pequena ripa de madeira com talhos transversais. A raspagem de uma baqueta sobre os talhos produz o som.

O reco-reco típico do Brasil, por sua vez, é comumente utilizado em grupos de samba/pagode ou em baterias de samba-enredo. Consiste numa caixa de metal com duas ou três molas de aço esticadas sobre o tampo, contra as quais é friccionada uma baqueta de metal. Nesse modelo, é possível utilizar-se da reverberação prolongada nas molas após a fricção ou abafá-las com a mão que segura a caixa. Em alguns modelos, a caixa possui um orifício inferior, permitindo que o instrumentista altere a reverberação interna ao tampar e destampar o orifício, semelhantemente ao que é feito com a cabaça de um berimbau.
(Fonte: Wikipédia)

A perda

Alceu Valença - "Na primeira manhã" (Alceu Valença)

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Império Serrano!

Império Serrano - "A Lenda das Sereias, Rainhas do Mar" (Vicente, Dionel e Veloso) - Desfile de 1976

Olha o Salgueiro aí de novo!

Acadêmicos do Salgueiro - "Bahia de todos os deuses" ( Bala e Manuel Rosa) - Desfile de 1969

O banjo

O banjo é instrumento de corda da família do alaúde, de corpo redondo, com uma abertura circular na parte posterior. Consta de uma armação circular, atualmente produzida em pvc, sobre o qual se retesa uma pele (antigamente pregada, hoje presa por um mecanismo de cola sintética), um braço longo e fino, com trastes e cordas metálicas ou de tripa retorcida. Baseado em vários instrumentos africanos, foi desenvolvido nos Estados Unidos da América pelos escravos negros, no século XVII, e adotado por grupos ambulantes de músicos brancos, no século XIX. É muito usado na música folk estadunidense e pelos grupos de bluegrass.Posteriormente teve grande importância na música jazz.
Incorporado às rodas de samba em meados da década de 70, quando o músico e intérprete Almir Guineto adotou uma ideia de seu parceiro musical e humorista, Mussum, adaptando o corpo do instrumento estadunidense ao braço do cavaquinho. Assim, percebeu que, além da qualidade do som, a armação reforçada do banjo reduzia os riscos de rompimento de cordas. O banjo passou a ser utilizado com apenas 4 - utilizando o mesmo número de trastes e a afinação do cavaquinho, mas com a peculiaridade da batida diferenciada - ou 6 cordas.
(Fonte: Wikipédia)

A cabaça

Usada como amplificador acústico em instrumentos musicais, como o chocalho, afochê, maraca, sequerê ou xequerê, abê e malimba(Fonte: http://belezadacaatinga.blogspot.com.br)

A tuba

A tuba é um instrumento musical de sopro da família dos metais. Consiste num tubo cilíndrico recurvado sobre si mesmo e que termina numa campânula em forma de sino. Dotado de bocal e de três a cinco pistões, possui todos os graus cromáticos.
Existem tubas de vários tamanhos: tenor (também chamado de eufônio), baixo e contrabaixo. Desde o seu aparecimento, na primeira metade do séc. XIX, logo foi incorporada nas orquestras sinfônicas.

(Fonte: Wikipédia)

Mestre do bandolim... Jacob!

Jacob do Bandolim - "Odeon" (Ernesto Nazareth)